IVAR-O NOVO ÍNDICE PARA REAJUSTE DE ALUGUEIS DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS E O DESTINO DO IGPM

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

É fato público e notório que a pandemia gerou uma distorção na relação oferta/demanda em inúmeros setores da economia, cujo resultado mais visível foi o retorno da inflação em níveis alarmantes. Um dos setores mais impactados foi o imobiliário, em especial o de locação de imóveis, cujos contratos comumente são reajustados pelo IGP-M. Nos últimos dois anos, o IGP-M fechou com dois dígitos de inflação acumulada, sendo de 23,14% no ano de 2020 e de 17,78% em 2021.

Embora o IGP-M experimente um recuo recente, ainda permanece em patamares elevados, gerando a necessidade de renegociação entre proprietários e inquilinos que, na falta acordo sobre o reajuste, vem buscando o poder judiciário para revisão dos contratos.  Por essa e outras razões, a FGV-Fundação Getúlio Vargas criou um novo índice para medir a evolução mensal de aluguéis, denominado de IVAR (Índice de Variação de Aluguéis Residenciais).

O novo incide será medido através de dados obtidos por empresas administradoras de imóveis, com informações coletadas a partir de contratos assinados entre inquilinos e proprietários. O novo índice promete conferir maior precisão no cenário de oferta e demanda no mercado de locação residencial, diferente do IGP-M, que é formado pela composição de outros três índices IPA-M (Índice de Preços por Atacado – Mercado), IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor – Mercado) e INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado), com pesos de 60%, 30% e 10%, respectivamente.

Embora a FGV tenha criado o IVAR, não houve a extinção do IGP-M, muito pelo contrário. Os dois índices vão coexistir naturalmente no mercado. A questão é que a maioria dos contratos de locação vigentes preveem o uso do IGP-M como índice de reajuste, só sendo substituído em caso de extinção do índice ou caso apresente variação negativa.

Diante desses fatos, muitas dúvidas podem surgir, por exemplo: o novo índice sendo medido com base em locações residenciais, se aplicaria a locações comerciais? O novo índice é obrigatório a partir de agora para novos contratos de locação residencial ou comercial? É possível substituir o IGP-M pelo IVAR nos contratos vigentes? O uso do novo índice torna-se obrigatório? Como visto, são muitas dúvidas que merecem esclarecimentos.

A princípio, é importante esclarecer que o uso do novo índice não é obrigatório, assim como não é obrigatório o uso do IGP-M. Trata-se na realidade de uma praxe do mercado tendo em vista que o IGP-M é um índice consolidado e que é medido desde 1989. A nosso ver, considerando que o novo índice é mais específico e voltado ao setor de locação de imóveis, seria prudente a utilização do índice para reajuste não só de locações residenciais, mas também comerciais.

Neste sentido, visando preservar interesses mútuos, é importante que proprietários e inquilinos passem a adotar desde já o novo índice para novos contratos, considerando que o índice começa a ser divulgado a partir de hoje (11/01/2021). Com relação aos contratos vigentes, a Lei 8.245/91 que regula locações de imóveis urbano prevê em seu art. 18 que “é lícito às partes fixar, de comum acordo, novo valor para o aluguel, bem como inserir ou modificar cláusula de          reajuste” . Assim sendo, nada impede que o novo índice seja aplicado a contrato vigentes mediante termo aditivo em comum acordo entre as partes.

Se inscreva em nossa Newslatter

Fique atualizado e por dentro de tudo que acontece no direito

Outras postagens

document, agreement, documents-428334.jpg
Franchising

CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA: O QUE DEVE CONSTAR NO DOCUMENTO E QUAIS OS CUIDADOS QUE CANDIDATO À FRANQUIA DEVE TOMAR

A circular de oferta de franquia, comumente chamada de COF, é o documento pelo qual estabelecemos nosso vínculo com a franqueadora, estabelecendo as exatas condições de instalação e existência da nossa franquia. Por experiência própria e conhecendo os inúmeros problemas que cercam a questão,  é altamente aconselhável que conte com uma assessoria jurídica de qualidade

survey, feedback, evaluation-7046888.jpg
Franchising

DICAS PARA ABRIR UMA FRANQUIA: A IMAGEM DO NEGÓCIO PERANTE OS CONSUMIDORES

Talvez uma das partes mais importantes de um negócio é a imagem que aquela empresa tem e passa para os consumidores. Afinal, pode ser que você tenha um produto brilhante, mas nada disso adiante se ele não vender por conta da falta de visibilidade ou da má visibilidade da sua empresa. Pensando nisso, nós da

Rolar para cima