PORQUE DEVO PROCURAR UMA ASSESSORIA JURÍDICA ANTES DE ABRIR MINHA FRANQUIA?

student, typing, keyboard-849822.jpg

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

       Muitos empresários que decidem abrir uma franquia por vezes nem chegam a inaugurar a loja. O porquê disso? Falta de planejamento e desconhecimento dos riscos reais do negócio.

         Imagina começar a construção de seu espaço de trabalho e imprevistos na obra esgotam todo o seu dinheiro; imagine não ter capital de giro o suficiente para iniciar o negócio; imagine “morrer na praia” junto com os seus investimentos? Ou mais do que isso, você chega longe com o seu empreendimento, mas hesita em certas tratativas por falta de conhecimento e assistência jurídica. Se não há como fugir dos riscos, então vamos juntos mensurá-los e saber lidar com eles. Nós da Lage Cardoso e Angelo Advogados somos especializados em fornecer assistência jurídica para franqueados (ou possíveis franqueados), auxiliando-os na montagem (ou na não-montagem) e na manutenção de seus negócios.

         Por que dizemos “não-montagem” no parágrafo anterior? De fato, muitas vezes o cliente desiste de abrir uma franquia por enxergar além do que a COF apresenta. Por exemplo, se, de acordo com o que a previsão de gastos da empresa, ele iria gastar o montante de X para realizar todas as ações necessárias, e ele possuía em mãos menos de 1,5X, ele desistia do negócio. E o motivo: gastos reais muito maiores, dados esses omitidos pela franqueadora, juntamente com a consciência de que é necessária uma reserva quanto a imprevistos. Outra situação também comum: o retorno médio mensal estipulado pela franqueadora muitas vezes não chega nem perto do real, e isso com base nos relatos de outros franqueadores da mesma empresa.

         Se você de fato optar por contratar uma franquia, o auxílio de uma equipe especializada também é de extrema importância para, por exemplo, ter uma abordagem mais eficiente com a franqueadora, sugerir mudanças contratuais antes mesmo de assinado o documento, apresentar pesquisas de mercado etc. Uma vez de pé, o seu empreendimento também faz jus a nossa assistência jurídica especializada, e vamos explicar o porquê. A orientação quanto à documentos, o auxílio em problemas de ordem trabalhistas, o auxílio quanto à problemas de ordem civil, dentre muitos outros serviços, podem te salvar de muitos problemas futuros. Acredite.

         Caso você esteja a ponto de encerrar as atividades da sua franquia, o ideal é conhecer os seus direitos. Pode ser que você nunca tenha se questionado ou não tenha percebido, mas o motivo do seu fechamento pode ser por conta de ações de má-fé, irresponsabilidade ou por falta de suporte da franqueadora. Não tenha dúvidas: isso pode ser alvo de ações judiciais, e há a possibilidade de você ser restituído pelo seu prejuízo. Sempre cabe discussões quanto à responsabilidade nesses casos.

         Não corra riscos desnecessários e não aceite nada menos que os seus direitos. Para esse e mais conteúdos, siga a página e fique ligado nos artigos futuros.

Se você estiver interessado em mais dicas para abrir a sua franquia, acesse o nosso blog e veja os nossos outros artigos.

 

Equipe LCA Advogados

Se inscreva em nossa Newslatter

Fique atualizado e por dentro de tudo que acontece no direito

Outras postagens

game console, sony, video games-6603120.jpg
Direito Digital

QUAIS OS DIREITOS TRABALHISTAS DOS ATLETAS DE ESPORTS?

Por não existir uma legislação específica que regule o esporte eletrônico no Brasil, muitas questões jurídicas relacionadas ao direito dos atletas são resolvidas com base nas normas dispostas na Lei 9.615/989 (Lei Pelé) que, por sua vez, traz uma modalidade especial de trabalho, tendo em vista as peculiaridades inerentes à profissão do atleta profissional, preservando,

Direito de Família

SEPARAÇÃO CONSENSUAL E SEM FILHOS – PODEMOS NOS DIVORCIAR NO CARTÓRIO?

Sim!   Estando o casal de acordo e por não possuir filhos menores ou incapazes, não há nenhum impedimento para que o divórcio seja realizado na via extrajudicial.   Neste caso, havendo bens para partilhar, o casal deve providenciar documentos necessários à comprovação da titularidade dos bens, bem como o pagamento dos impostos devidos.  

Rolar para cima