AO RECEBER A SUA COF, VOCÊ DESCONFIA DAS TAXAS E CUSTOS PREVISTOS POR ELA?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

      Antes de abrir uma franquia, geralmente procuramos saber o investimento médio a ser feito e as condições de existência do negócio. Quando recebemos a COF, tudo parece ser perfeito na teoria; afinal, todos os dados estão lá bem organizados, e você acaba se convencendo de que aquilo que está no papel é aquilo que de fato você vai gastar. Mas, se temos uma coisa que aprendemos na vida, é que a teoria, na maioria das vezes, se difere da realidade em muitos pontos.

         O que podemos sugerir a você é: desconfie e tenha sempre mais capital do que o mínimo apresentado pela empresa.

         Em primeiro lugar, vale a nós da Lage Cardoso e Angelo Advogados esclarecer a você empresário(a) que os custos de se abrir e montar um negócio geralmente nunca batem com o que está previsto no papel. Muitas vezes a franqueadora, na tentativa de atrair mais filiados e se expandir, omite algumas informações; por exemplo, para você montar a sua franquia, você precisará comprar um terreno e construir o seu estabelecimento. A COF apresenta a você o preço do terreno e os custos dos materiais, mas deixa de apresentar a você os custos de registro do imóvel, os custos de transporte de materiais, os custos de mão de obra, etc. Portanto, esteja sempre atento e busque saber um pouco mais sobre a base dos cálculos realizados pela franqueadora.

         Em segundo lugar, ainda que todos os seus gastos estejam ocorrendo de acordo com o previsto, imprevistos quase sempre ocorrem. Não aconselhamos a você montar uma franquia com um orçamento muito limitado ou então sem saber realmente sobre os riscos do negócio. É nesse momento que a assessoria jurídica vem a calhar, pois ela te alerta sobre qual a porcentagem do capital mínimo você deve ter a mais para minimizar os seus riscos. Imagine não dar conta de arcar com todos os custos iniciais e falir antes mesmo da inauguração, ou seja, “morrer na praia”. Por esse motivo e outros, nunca ande com a corda no pescoço: sempre tenha uma reserva.

         Outro ponto que vale ser tratado é quanto à taxa de royalties exigida no contrato. Dependendo da sua escolha de negócio, pode ser que essa taxa seja fixa, ou seja, não importa o lucro da sua empresa, sempre haverá um pagamento mínimo que você terá que realizar para a matriz todo mês. Na COF, geralmente são apresentados essa taxa e o lucro por mês esperado. No entanto, muitas vezes essa estimativa de lucro não leva em consideração eventuais variações, que normalmente ocorrem de acordo com a época do ano ou por outros motivos. Antes de se comprometer a ter um gasto fixo por mês com uma franqueadora, avalie bem as suas possibilidades de retorno mensal.

        Não gostamos de correr tantos riscos, principalmente quando se trata de dinheiro, mas muitas vezes não conseguimos fugir deles. Cabe a nós, então, entendermos esses riscos para avaliar se vale a pena ou não a montagem do nosso empreendimento.

        Para esse e mais conteúdos, siga a página e fique ligado nos artigos futuros.

 

Equipe LCA Advogados

Se inscreva em nossa Newslatter

Fique atualizado e por dentro de tudo que acontece no direito

Outras postagens

game console, sony, video games-6603120.jpg
Direito Digital

QUAIS OS DIREITOS TRABALHISTAS DOS ATLETAS DE ESPORTS?

Por não existir uma legislação específica que regule o esporte eletrônico no Brasil, muitas questões jurídicas relacionadas ao direito dos atletas são resolvidas com base nas normas dispostas na Lei 9.615/989 (Lei Pelé) que, por sua vez, traz uma modalidade especial de trabalho, tendo em vista as peculiaridades inerentes à profissão do atleta profissional, preservando,

Direito de Família

SEPARAÇÃO CONSENSUAL E SEM FILHOS – PODEMOS NOS DIVORCIAR NO CARTÓRIO?

Sim!   Estando o casal de acordo e por não possuir filhos menores ou incapazes, não há nenhum impedimento para que o divórcio seja realizado na via extrajudicial.   Neste caso, havendo bens para partilhar, o casal deve providenciar documentos necessários à comprovação da titularidade dos bens, bem como o pagamento dos impostos devidos.  

Rolar para cima